Mau hálito

Muitas pessoas tem mau hálito e não sabem disso. O mau hálto constante pode fazer com que essas pessoas não percebam o próprio hálito. Em contrapartida, pessoas com períodos de halitose e períodos de normalidade conseguem percebê-lo.

O mau hálito da manhã é considerado fisiológico. Ele acontece devido à leve hipoglicernia, à redução do fluxo salivar para virtualmente zero durante o sono e ao aumento da flora bacteriana. Após a higiene dos dentes, da língua e após a primeira refeição a halitose matinal deve desaparecer. Caso isso não aconteça, podemos considerar que o indivíduo tem mau hálito e que este precisa ser investigado e tratado.

Para identificar a presença do mau hálito, peça a um familiar ou a um amigo de confiança que faça essa avaliação para você. Caso sinta se constrangido a pedir a alguém que o avalie, procure um cirurgião dentista para que este possa ajudá-lo no diagnóstico e no tratamento da halitose.

Atualmente é possível medir o mau hálito. Um aparelho chamado Halimeter@, capaz de medir compostos sulfurados voláteis serve para orientar quanto à gravidade da halitose e quanto à melhora e à cura durante o tratamento.

A causa do mau hálito, não pode ser explicada por um único mecanismo. Existem razões fisiológicas (que requerem apenas orientação); razões patológicas (que requerem tratamento); razões locais (feridas cirúrgicas, cárie, doença periodontal etc.) ou sistêmicas (diabetes, uremia, prisão de ventre etc.). Apesar disso, 96% ou mais dos casos de halitose se devem à presença de saburra lingual e, assim, devem ser tratados.

A saburra é um material esbranquiçado ou amarelado, que adere ao dorso da língua em maior proporção na região do terço posterior. A saburra equivale a uma placa bacteriana lingual, em que os principais organismos presentes produzem componentes de cheiro desagradável no final de seu metabolismo.

O mau hálito não é contagioso e a saburra somente se forma em pessoas com predisposição à sua formação. Por esta razão, é muito comum casais em que apenas um dos parceiros apresenta hálito muito desagradável.

A principal causa da formação de saburra é a redução leve do fluxo salivar, com a presença de uma saliva muito mais rica em mucina e que facilita a aderência de microrganismos e de restos epiteliais e alimentares sobre o dorso da língua.

Com a avaliação das causas da redução do fluxo salivar pode-se decidir sobre o melhor tratamento.

Quando o mau hálito é esporádico, devemos relizar uma higiene bucal e lingual adequadas e estimular a salivação com balas sem açúcar, gomas de mascar ou gotas de suco de limão com um pouco de sal. Devemos ainda evitar o excesso de proteína, gordura, condimentos e alimentos de cheiro carregado e manter uma freqüência de ingestão de água e de alimento a cada 3 ou 4 horas.

O uso de gomas de mascar melhora o hálito age como um mascarador do hálito e aumentando a salivação.

Embora seja muito comum pacientes com gastrite terem mau hálito as pessoas acreditam que um é causa do outro e que o mau hálito vem do estômago. Isso não é verdade. A redução do fluxo salivar propicia a formação de saburra, a qual permite que o Heficobacterpilor se instale no dorso lingual, prolifere e aumente em número, podendo chegar ao estômago e desencadear a gastrite
Portanto, a manutenção do fluxo salivar em condições normais não evita apenas a formação de saburra e mau hálito, mas também previne a possibilidade de o paciente se tomar predisposto a gastrite.
 

Newsletter

Receba os nossos informativos!

Campo belo
Avenida Vereador José Diniz, 3457 - Conj. 709 Tel.: (11) 4506-6555
E-mail: contato@clinicaracy.com.br

imagem da Clínica Racy